Menu

O que se sabe até agora sobre ataque suicida que matou 22 em show de Ariana Grande em Manchester

23 MAI 2017
23 de Maio de 2017

Segundo May, as forças de segurança do país acreditam que a ação foi individual e que a identidade do autor do ataque já é sabida. Seu nome, no entanto, ainda não foi revelado.

A explosão, ocorrida do lado de fora do auditório da Manchester Arena pouco após o show, às 22h35 locais, (18h35 de Brasília), deixou 22 mortos e 60 feridos.

A primeira vítima a ser identificada é uma estudante de 18 anos, Georgina Callander, que fazia um curso de Saúde e Serviço Social em uma faculdade em Lancashire.

A polícia trabalha com informações sobre pessoas desaparecidas que tinham ido ao show.

Uma página foi criada na internet para levantar fundos em apoio às famílias das vítimas. Em apenas duas horas, foram doados £23 mil (R$ 97 mil).

May visitará o local do ataque, com capacidade para 21 mil pessoas, nesta terça-feira, e se reunirá com o comitê máximo de segurança do governo, o Cobra.

Na manhã desta terça-feira, a polícia evacuou um shopping center em Manchester. Testemunhas relataram à BBC terem ouvido tiros e visto um homem - ainda não identificado - sendo preso. Ainda não se sabe se este incidente está ligado ao ataque de segunda-feira.

Este é o pior atentado à bomba do Reino Unido desde os ataques no sistema de transportes de Londres de 2005, que deixaram 52 mortos.

Na ocasião, quatro jovens muçulmanos britânicos detonaram explosivos em três vagões do metrô e um ônibus em Londres. Mais de 700 pessoas ficaram feridas.

O país está em estado de alerta "alto" para ataques terroristas há dois anos. O último ataque do tipo foi há dois meses, no centro de Londres, quando um homem atropelou vários pedestres na ponte de Westminster e tentou invadir o Parlamento armado de uma faca, matando, ao todo 5 pessoas e ferindo outras 50.

Testemunhas

O britânico Josh Elliot, que estava no show, relatou que "houve um grande estrondo, e todos começaram a correr".

"Foi um tumulto, foi terrível. As pessoas choravam, e havia carros de polícia por todos os lados. Levantamos (do chão) quando achávamos que estávamos em segurança e saímos (da arena) o mais rápido que conseguimos", disse.

A Manchester Arena, o maior ginásio da cidade, informou que a explosão ocorreu do lado de fora do auditório.

Outras testemunhas também descreveram um cenário de caos.

"Ariana Grande tinha terminado a última música e houve um grande barulho. Eu vi pessoas correndo e também corri instintivamente. Terminamos em um corredor sem saída. Foi apavorante. Encontrei a porta principal e havia gente chorando por todo lugar", afirmou o estudante Sebastian Diaz, de 19 anos.

Uma mulher contou à rádio BBC de Manchester que estava no show com a filha de 14 anos e que ambas haviam decidido começar a sair pouco antes do final da apresentação.

"Quando estávamos saindo ouvimos um estrondo enorme. Na hora pensei que tínhamos perdido algo do show, mas quando nos viramos havia uma multidão descendo as escadas, pessoas caindo. Peguei minha filha e corremos. Pessoas estavam sendo esmagadas no chão."

Um porta-voz de Ariana Grande - cujo público é majoritariamente infanto-juvenil - disse que a cantora não se feriu. Pelo Twitter, ela disse estar "devastada" pelo que aconteceu. "Do fundo do meu coração, eu sinto muito. Não tenho palavras", escreveu.

O repórter Tim Ashburn conversou com paramédicos voluntários que disseram ter atendido pessoas com ferimentos foram causados por estilhaços. Segundo o serviço de emergência local, 60 ambulâncias foram mandadas para a Manchester Arena, onde ocorreu a tragédia.

Linhas que passam pela estação Manchester Victoria, próxima ao local do show, foram bloqueadas - a estação ficará fechada nesta terça-feira. Moradores da cidade britânica estão oferecendo acomodação às pessoas que ficarem retidas na cidade, com a hashtag #RoomForManchester no Twitter.

A polícia de Manchester isolou a área da arena e também fez uma detonação controlada de um objeto após a primeira explosão - mas eram apenas roupas abandonadas.

"Obviamente todos na cidade estão chocados, tendo visto quão jovens são alguns (dos presentes ao show)", disse Pat Carney, porta-voz da administração municipal. "É um alvo fácil - uma casa de shows onde jovens estão curtindo música."


Representante do governo local, Richard Leese, comentou na noite de segunda-feira à BBC que "Manchester não irá se curvar e seguirá crescendo e prosperando".

"Não podemos deixar atos assim nos abater, temos que demonstrar que vamos seguir vivendo nossas vidas. Esse é o momento que temos que ser mais fortes do que nunca", acrescentou.

O fato de o show de Ariana Grande ter muitas crianças e adolescentes na plateia tornou o ataque ainda mais "terrível", segundo Leese.

"É preciso questionar por que alguém iria ter como alvo essa audiência, o público de um evento como esse. Eu realmente não consigo entender isso."

Na manhã desta terça-feira, o prefeito de Manchester, Andy Burnham, disse que a cidade, a terceira maior do Reino Unido, com mais de 2,6 milhões de habitantes, estava acordando para "a mais difícil das alvoradas" após "o ato maligno".


BBC

Voltar
Tenha você também a sua rádio